sábado, outubro 22

Reencontros

Minha homenagem a Augusto dos Anjos:


Quando a matéria morta se desfragmenta
Em vil matéria escura, impura e purulenta,
Perpetuam os desagradáveis e maus odores
De uma realidade repleta de tais dissabores

Quando a púrpura cor da pútrida imagem
Enoja e enjoa o moribundo observador,
Escasso alimento vomitado pela vertigem
É derramado com repulsa e muita dor

Há quem diga que da morte nada levamos
Chegamos ao destino despidos de vestes,
Mágoas, anáguas, tristezas, e despertamos.

Mas também há quem diga que lá chegamos
Com asas de carne e sangue, muita saudade
E a alegria por quem nós, lá, reencontramos.

(André Lasak • 17/12/2003 • 17h40)

Marcadores:

1 Quimeras:

@ novembro 01, 2005 12:34 PM, Anonymous Simone disse...

Reecontros as vezes sao bons... as vezes !
bjos

 

Postar um comentário

<< Página Principal