segunda-feira, março 15

Vota Queu Conto #3 - Resultado

Demorou mas valeu a pena! :D

Finalmente, depois de muitas semanas de atraso, vamos ao resultado da terceira votação, que resultou no início #4.

Fiquei realmente muito empolgado com o resultado. Espero que vocês apreciem:



Capa Cordel Primeiro - Jabaculê Rufião no Dia de sua Dura Condenação


CORDEL PRIMEIRO
Texto: André Lasak
Ilustrações: Tiburcio


INTRODUÇÃO
Esta é a história de Jabaculê, o cangaceiro cospe-fogo,
que assustou Lampião num ritual de mau agouro;
quem esta história lê, ou muda de cidade ou fica desnorteado,
porque fará mal pra você, quer tenha bondade ou seja malvado;
aguarde emoções e alegrias, sustos e fantasias,
mentiras e verdades, soluções e divanias;
porque esta é a história de Jabaculê, o cangaceiro arranca-corno,
que cobriu Maria Bonita e levou de Lampião o adorno.


Imagem 01 Cordel Primeiro - Jabaculê Rufião no Dia de sua Dura Condenação


I

No aniversário de meu padim Padi Ciço
Ano de nosso sinhô Jesus Cristim 1907
Nascia Januário Sebastião do Bom Viço
Um cabra macho que a dura vida promete

Perdeu a mãe na noite nascida
A dinda no inverno seguinte
O pai numa tocaia na lida
Avó de fome em conseguinte

O avô numa briga de bar
A outra avó de bexiga
O dindo em mais briga
O outro avô ao despertar


Imagem 02 Cordel Primeiro - Jabaculê Rufião no Dia de sua Dura Condenação


II

Criado foi no lombo do burro
De seu tio Jupirá Santinho
Um boiadeiro bom e miudinho
De fala mole e jeitão casmurro

Tomava leite de jumenta
Comia ovo de calango
Sede com água benta
Doença com pé de frango

Matava mutuca com peteleco
Aos dois e meio e pouco
Aos três já arrancava toco
Só com braço e perereco


Imagem 03 Cordel Primeiro - Jabaculê Rufião no Dia de sua Dura Condenação


III

Aos nove perdeu boiadeiro Santinho
Num buraco de cobra que se sentou
Corajoso que era nem mesmo chorou
Apenas enterrou seu tio Jú-paizinho

Agora era só o burro e Januário
Pelas bandas do seco Aricó
Andando magrinho de dar dó
E ostentando seu escapulário

De seca em seca o coitado persistia
Comendo o pão que o demo amassou
Depois que o burro por fim se esticou
Sozinho no mundo ele sobrevivia


Imagem 04 Cordel Primeiro - Jabaculê Rufião no Dia de sua Dura Condenação


IV

Agora que contava onze e meio
Roubava vendas e velhinhos
Moendas, ebós e doentinhos
Pra tentar comer de prato cheio

Aí que ele foi pego no susto
Por um jagunço irritadiço
De porte médio e robusto
Enquanto pegava chouriço

Apanhou até dizer chega
Foi aí que apanhou mais
Ao que gritou a galega:
- Dêxumininempáiz!


Imagem 05 Cordel Primeiro - Jabaculê Rufião no Dia de sua Dura Condenação


V

Galega nova, viçosa e bonita
Era a mais desejada do sertão
Então o jagunço largou o ladrão
Voltando ao trago em sua birita

- Minino, assim não se faz, não!
- Era só pedir pra Januária
- Que eu te dava o que era bão...
- Assim tu deixava de ser pária!

Como mãe Januária cuidou
Do pobre Januário magrinho
Tão bem que até de terninho
Na missa domingo ele usou


Imagem 06 Cordel Primeiro - Jabaculê Rufião no Dia de sua Dura Condenação


VI

Foram três anos bem felizes
Na vida de Januário Bom Viço
Mas a vida dura cobra as raízes
De quem deve seu compromisso

Foi que os cangaceiros chegaram
Pra acabar com a ingênua alegria:
Januária estuprada na catatonia
Foi assim. Sua cabeça cortaram.

O garoto pouparam pra contar o que vira
Antes, bateram tanto que até desmaiou
Ao acordar, nem mesmo acreditou
No que da vista a desgraceira lhe tira


Imagem 07 Cordel Primeiro - Jabaculê Rufião no Dia de sua Dura Condenação


VII

Januário gritou um ódio por demais avexado
Pelo que viu com seus pobres olhos doridos
- A vingança é o caminho de nós, oprimidos
- Pr’esses carniceiros, o mundo tá acabado!

- A partir de hoje sou Jabaculê
- O novo rei do cangaço
- E vou fazer com você
- O que jacaré faz com sanhaço!

---

A história não acaba por aqui, caro leitor;
aguarde uma breve temporada, que a outra parte contarei;
tem muito mais dor, eu direi, que nesta já desembrulhada;
agüente firme e sem ardor a vingança de Jabaculê,
e descubra o que o cospe-fogo pode fazer com você.





.
Também estou por aqui:
Siga-me no TwitterAssine o Feed RSS do Quimera UfanaVisite meus Álbuns do Flickr

Marcadores: , ,

10 Quimeras:

@ março 15, 2010 4:54 PM, Anonymous Tiburcio disse...

Este trabalho fugiu completamente ao meu estilo de desenho, e gênero também, já que se trata de uma poesia dramática e até violenta no seu conteúdo.
André, você está de parabéns pela densidade do texto.
Um abraço e obrigado pela oportunidade de mostrar outras variações do meu trabalho ao pessoal.

 
@ março 16, 2010 10:11 PM, Blogger Mme. Enigma . . . . disse...

parabéns.
foda, fodinha e fodão. ;)

abraços.

 
@ março 17, 2010 1:57 PM, Anonymous MeinWeise disse...

*APLAUSOS*
Ficou fodastica!

 
@ março 19, 2010 11:58 AM, Blogger J.F. de Souza disse...

Olha, meu caro... Mas ficou EXCELENTE! Melhor do que eu podia esperar! =)

Doido pra ver a continuação dessa história...

1[]!

 
@ março 19, 2010 1:35 PM, Blogger rita disse...

André,AMEI!!!
Me add no msn
pcharmosa10@hotmail.com
bj

 
@ março 26, 2010 5:26 PM, Blogger Mauricio disse...

Que dupla de talento!

Textos e ilustrações da melhor qualidade.

 
@ abril 05, 2010 11:47 AM, Anonymous Anônimo disse...

EXCELENTE, Lasak! As ilustrações também ficaram maravilhosas. PUBLICA ISSO EM CORDEL!

 
@ abril 28, 2010 11:58 AM, Blogger Ana Luiza Boldrini disse...

Hahaha, só vi agora que o tema que escolhi ganhou, mas ficou bem legal, gostei do texto e dos desenhos. Parabéns Hómê.

Cabra macho porreta!

=]

 
@ maio 18, 2010 2:32 PM, Blogger Pedro Paulo Rosa disse...

Maravilhoso o trabalho, André!

Muita potência musical e imagética em todas as estrofes.

Abração!

 
@ dezembro 22, 2010 11:50 PM, Blogger André Lasak disse...

Copio aqui a crítica de Ademir, professor de Literatura Brasileira e coordenador de Língua Portuguesa do Colégio Humboldt, a respeito desta primeira parte do cordel:

"Cordel extremamente coerente, musicalidade na medida, narrativa cativante, fortemente intuitivo. Tem um ou outro problema na escolha de palavras e, por isso, em algumas rimas, prejudicando um pouco a estrutura. Mas acho que se ele trabalhar no cordel de novo, se reler etc., isso é algo facilmente solucionado."

 

Postar um comentário

<< Página Principal