quinta-feira, março 30

Descontinuidade - Capítulo 9

Capítulos anteriores:
01; 02; 03; 04; 05; 06; 07; 08



Ao acordar, olha para aquele rosto sem sombrancelhas e diz apenas uma frase:


CAPÍTULO 9



- Descobri porque estou amarrado. Agora você pode me soltar?
- Claro que não! Você acha que sou idiota?
- Bom... Essa é a idéia que tenho de pessoas que arrancam suas sobrancelhas...
- Eu não-nasci sem nenhum pêlo no corpo. Com isso, não-nasci sem compaixão nenhuma, também. Acho que começarei talhando profundos cortes em sua pele. Para dar mais emoção, jogarei um pouco de sal nas feridas e costurarei cada rasgo com uma agulha bem enferrujada e sem ponta. Será difícil cada sutura, mas ficarei recompensado com os seus urros de dor. Depois disso, deixarei como surpresa, hehehehehehehe. Vou pegar minhas ferramentas e volto já. Relaxe um pouco enquanto espera teu sofrimento.

Antes de voltar do transe, Tobias teve algumas lembranças que o levaram a uma vida em que era um ilusionista charlatão, que ganhava a vida se soltando de grossas correntes. Isso o ajudou a escapar da cama. Ao levantar, sentiu que seus sentidos o levavam até a bandeja em cima da mesa. Colocou-a no chão, e pôs seus pés sobre ela. Sua mente se concentrou no Livro. Tudo à sua volta se iluminou. Quando o sujeito pálido retorna à sala, nada mais encontra.

50.000 a.C.
Xzi olha para a fêmea. Ela é bem diferente das primeiras selvagens que iniciaram a Experiência. Ela é bonita. Tem curvas e peles sem pêlos. Está de pé, e não arqueada. De fêmea, passou a ser mulher. E será sua mulher por uns minutos. Minutos importantes, os quais esperou por toda a sua vida. Ele já a amava antes de saber de sua existência. Matou sua esposa e seu quase-filho por isso. Se dedicou por inteiro para tê-la em suas mãos, agora. A mãe dos filhos que povoarão o planeta Terra. A concretização do seu projeto de vida, finalmente!

Inicia o ato. A mulher se entrega, e Xzi deixa suas costas à vista de Yzoo e Zor. Péssima idéia. Zor, com uma adaga, perfura o ombro esquerdo de Xzi, e arrasta o corte até o rim direito, numa reta precisa e mortal. Seu quase-pai está morto.

- Aonde está o fim de tudo? Eu não matei o Vetor desta Era? - grita com fúria.

1.232 d.C.
Atordoados, mas com mais fúria, os três encontram a árvore, e golpeiam suas espadas na grossa copa para derrubá-la. Ann-Marie escolheu bem a sua proteção. Subiu em uma árvore sagrada. Na sua base foi enterrada a chave de poder do velho druida, juntamente com o seu sangue, muitos anos atrás. Quando saiu de sua terra, precisava encontrar uma árvore que representasse um altar de poder, como o da Galícia. E encontrou, bem ao norte da França. Nenhuma lâmina deste mundo poderia feri-la. Mas as espadas dos não-nascidos conseguem arrancar pequenas lascas. E eles estão dispostos a cortar até o fim, por mais que isso demore dias.

- Pequena Ann! Continue a ler os escritos!
- Dardwin? Aonde você está?
- Estou morto, pequenina...
- Quer dizer que eu não tenho mais ninguém neste mundo?
- Não chore, criança. Morreu o corpo, não a alma. E estamos aqui para te dar mais força.
- Jean está com você?
- Estou, meu amor. E você descobriu a arma! Agora termine de ler os escritos. Vamos acabar de uma vez por todas com estes malditos!

3.327 a.C.
- Você foi contra os nossos preceitos, Anamodron. Acreditamos em você. Não deveria matar um dos nossos.
- Eu não matei ninguém! Ele que foi tragado pelo chão!
- Porque você quis assim. Deveria ter entregado a sua vida sem pestanejar.
- O que eu fiz para precisar entregar a minha vida?
- Você usurpou a mente de um Vetor que estava prestes a se matar, e ganhou dele esta marca.
- O escriba? Era o meu trabalho descobrir o que aconteceu! Em nenhum momento eu queria tomar nada de ninguém...
- Mas tomou, e agora é tarde para se lamentar...

3 d.C.
A coisa cuspiu uma mistura de lodo e sangue em seu rosto. Cêntulo não conseguia enxergar nada, mas pensou rápido: arrancou uma página do Livro para enxugar-se. Ao fazer isso, ouviu um tenebroso silvo e abriu os olhos. Uma das lâmina vinha em sua direção, e agachou rapidamente. Algo havia mudado. O Símbolo estava sem uma das espadas.

- Então é isso? Cada página que eu arranco é uma estocada em você, coisa asquerosa?
- Mhooooooooorraaaaaaaaaaaah!

Outro golpe passa muito perto, decepando uma orelha de Cêntulo. Com raiva, arranca outra página. Mais um silvo é ouvido, e um guincho. A cada página arrancada, com mais fúria o Simbolo avança sobre ele. Cêntulo escapa das espadas, mas tropeça num grupo de cadáveres. É a grande chance de um contra-ataque bem violento. Só resta respirar fundo e aguardar.

1.832 d.C.
- Vamos, Diego! Esta é nossa chance! Ao ataque!

Nicanor avança com fúria, e enterra a cruz de madeira num dos olhos de Thamuz, atravessando seu cérebro e transformando-o em pó.

- Hahahahahaha! Morra, desgraçado!

Diego, com a ampola de água benta na mão, desvia de Coulobre e acerta Bonifarce, que derrete como cera nas pedras do altar. Nicanor repete a frase que deixou os demônios atordoados, e ataca Azazel, dividindo-o ao meio com a pena da asa de um anjo.

- Três já se foram! Venham morrer também nas mãos do Espírito Santo, malditos!

428 d.C.
As tonturas estão cada vez piores. Khon acha que não sobreviverá por muito tempo. Ao terminar de roer todos os ossos, Thula levanta-se e começa a se aproximar novamente. Por um momento pára, e começa a sentir como que dores no ventre.

- Espero que esteja tendo uma congestão, bastarda! - tenta gritar, com muito esforço.

Thula grita, se contorce, urra e explode. De dentro dela, "nasce" Tobias.

- Que merda! Estou inteiro cheio de sangue! Que diabos aconteceu aqui? Aonde estou? Quem é você, se ainda estiver vivo?
- Owgl! Owgl! Nahrnhar! - tenta gritar Khon, quase desfalecendo.
- O Livro! É por isso que estou aqui!

Ao pegar o livro, algo acontece.



CONTINUAÇÃO 01
Tobias começa a entender o que Khon fala. O Livro é um comunicador de todas as Eras.

CONTINUAÇÃO 02
Tobias escuta um estranho mantra fora da casa, e fortes batidas de lâminas de aço.


AGORA É A SUA VEZ!
Escolha entre a continuação 01 e 02, e aguarde: na próxima quinta-feira, mais surpresas em Descontinuidade - Capítulo 10!

Marcadores:

3 Quimeras:

@ março 30, 2006 7:14 PM, Anonymous robson disse...

putz, a 1, escolhe a 1!!!

 
@ abril 04, 2006 12:19 PM, Blogger Karan Novas disse...

Vou de 1 tb

 
@ abril 09, 2006 3:19 PM, Blogger André Lasak disse...

*** LIGAÇÕES ENCERRADAS! ***

CONTINUAÇÃO 01: 2 VOTOS
CONTINUAÇÃO 02: 0 VOTOS

OBRIGADO AOS PARTICIPANTES!

PRÓXIMA SEMANA, NÃO PERCA
DESCONTINUIDADE - CAPÍTULO 10

 

Postar um comentário

<< Página Principal