quarta-feira, abril 26

Descontinuidade - Capítulo 12

Capítulos anteriores:
01; 02; 03; 04; 05; 06; 07; 08; 09; 10; 11



-Amém!


CAPÍTULO 12

Com os olhos fechados, aguarda sua morte. Os momentos de tensão demoram muito mais que o normal. No desespero de Ann Marie, cada segundo vira minuto, e nada das espadas, nada de nada. Um forte trovão cai ali por perto. O silêncio é assustador.

- Pequena Ann! Abra os olhos!
- Dardwin! Jean! Eu posso vê-los!
- É claro que pode, meu amor...
- Quer dizer que estou morta? Eles me mataram?
- Não, pequena Ann. Você cumpriu muito bem a sua missão. Os três não-nascidos viraram pó a centímetros de seu corpo. Você venceu.
- Venci? E como prêmio, terei vocês de volta?

3 d.C.
Cêntulo engole seco. Destruiu a coisa. Olha para os lados para ver se está realmente sozinho, e dá uma gargalhada. Destruiu a coisa. Olha para o Livro, e nem se espanta ao notar que ele está colando e cicatrizando as duas metades. Encontra no chão um pequeno barril de vinho, e leva-o até a boca. Destruiu a coisa. Dá mais um gole. E engole seco.

- Muito bem, Cêntulo! Achei que não conseguiria...
- Como? Você morreu nos meus braços, ancião! O que faz de pé na minha frente?

1.832 d.C.
Diego, fraco, amarra um pedaço de pano no que sobrou de sua coxa para estancar o sangue. Observa que Coulobre vem em sua direção.

- Eu estou com a Biblia em minhas mãos, maldito! As sagradas palavras do Senhor estão ao meu favor!
- Um livrinho surrado não deterá meu mortal golpe de espada, humano estúpido. Comece a rezar, pois será descontinuado agora mesmo!

E Diego rezou. Elevou seus pensamentos e a Bíblia aos céus, orando aos pobres de espírito, aos doentes da alma, aos flagelados, aos falsos-humildes e aos demônios, que consigam um dia encontrar a paz e a luz da verdade. Ao terminar, pensou em sua mãe e na mãe das mães, e apontou a Bíblia em direção a Coulobre. Uma luz, projetada de suas páginas, iluminou toda a catedral. Quando Diego voltou a enxergar, viu apenas Nicanor e Belial no último embate.

2006 d.C.
- Cazzo! Como cheguei aqui?
- Esta foi a última vez que fugiu, Tobias! Sinta toda a fúria da minha espada!

428 d.C.
Tobias deixa Golgur dentro da cabana com Khon, e segue para fora. Sumivor está vermelho. Sua espada reluz ao sol que, a pino, anuncia que o almoço será um pouco mais tarde. Se existir almoço. Tobias encontra, no fundo da cabana, uma foice bem trabalhada pelo ex-ferreiro, e se arma para o pior.

- Estou aqui! E não mais amarrado! Venha lutar de igual para igual, careca!

Sumivor avança com fúria. Uma batalha de ataques e defesas acontece. Para quem nunca brigou nem na escola, Tobias se dá muito bem. Enquanto luta, concentra-se em sua regressão. Aquele sonho de criança era uma profecia. Existe uma sala iluminada e um relógio que anda no sentido anti-horário. Existe um Livro e uma proteção. Se não houvesse, já estaria morto. Seus pensamentos somem por um instante, e voltam com a resposta. Afasta seu oponente com um largo golpe de foice, joga o Livro ao chão de forma que ele se abra, e pula em cima dele. Sumivor golpeia o ar até sua espada bater na grama. Tobias sumiu.

- Desgraçado! Te descontinuarei até você virar uma pequena mancha no meu sapato!

50.000 a.C
Zor pega a fêmea e a possui como se fosse a última coisa que pudesse fazer vivo. Uma, duas, três vezes. Só a mata selvagem os observa. Sente que a fertilizou. Sente-se poderoso. Mas há algo errado em suas instruções. Quando recebeu sua missão, não imaginou que seria o pai dos primeiros terrestres. Algo mudou. Todas as Eras deveriam ter seus Vetores e Instrumentos ao mesmo tempo. Mas algo ali estava errado. Matar seu quase-pai foi errado. Ele não era o Vetor. Mas então, quem seria?

- Muito bem, Zor! Mesmo sem saber, nos serviu perfeitamente!
- E quem são vocês?
- Somos os Esculcas. Estamos aqui para esclarecer e julgar.

3.327 a.C.
- Venham me pegar!
- Aonde você está, pequenino?
- Estou em três lugares. Dois vocês já devem presumir...
- O pequenino está em nossas mentes, Osíris!
- Concentre-se Ammut! Ele está tentando transferir a Marca para nós!
- Para os dois não. Apenas para você, cabeça verde!
- A Marca! Sinto muito, senhor!

Ammut devora o coração e a alma de Osíris, que nem tem tempo de dizer que, na realidade, Ammut fora induzido a achar que a Marca estava nele.

- Sobraram nós dois, pequenino! Quero ouvir seu coração estalar nos meus dentes!



CONTINUAÇÃO 01
Ammut sofrerá com o poder da mente de Anamodron.

CONTINUAÇÃO 02
Ammut sofrerá as conseqüências por ter aniquilado Osíris sem razão aparente.


AGORA É A SUA VEZ!
Escolha entre a continuação 01 e 02, e aguarde: na próxima sexta-feira, mais surpresas em Descontinuidade - Capítulo 13!

Marcadores:

4 Quimeras:

@ abril 26, 2006 11:39 AM, Anonymous robson disse...

fico com a primeira

 
@ abril 26, 2006 10:27 PM, Blogger Tahkren disse...

A 2 é mais cruel... tem a cara de coisa de demônio

 
@ abril 29, 2006 12:10 PM, Anonymous Pato disse...

01

 
@ abril 29, 2006 1:58 PM, Blogger André Lasak disse...

*** LIGAÇÕES ENCERRADAS! ***

CONTINUAÇÃO 01: 2 VOTOS
CONTINUAÇÃO 02: 1 VOTO

OBRIGADO AOS PARTICIPANTES!

PRÓXIMO SÁBADO, NÃO PERCA O
PENÚLTIMO CAPÍTULO DE DESCONTINUIDADE!

 

Postar um comentário

<< Página Principal